Catálogo de Etnias não Alcançadas para a Igreja Ibero-americana


1. Em que consiste o catálogo de Etnias não Alcançadas para a Igreja Ibero-americana?

R. O catálogo é um livro prático, que contém informação sobre as etnias não alcançadas. Cada país pode ter um catálogo que contém uma lista diferente de etnias não alcançadas. A lista será diferente para cada país e inclui as etnias não alcançadas do país. Por exemplo, o catálogo do México contém as etnias não alcançadas do México e também de outros países do mundo. O propósito é que o movimento missionário daquele país mantenha o foco em etnias diferentes das de outros países. Tudo está respaldado por uma página web, onde se encontra um perfil da etnia com mais informações: fotografias, população, religião, estilo de vida e um mapa.

2. Qual é o objetivo de elaborar um catálogo para cada país da Ibero América?

R. Desde o princípio estive orando sobre como envolver a igreja e a comunidade missionária de cada país. Ao ter o catálogo em mãos, todos estarão envolvidos e terão acesso a uma lista atual de etnias não alcançadas. Esperamos que, se alguém entende que deve ir como missionário para a Índia, por exemplo, possa receber informação que lhe indique que ali já existem igrejas estabelecidas, Bíblias em vários idiomas principais, e pastores. Com o catálogo, o candidato verá um país e também uma lista de etnias não alcançadas, sem acesso ao evangelho e sem missionários.

Os catálogos servirão como uma forma de evitar a duplicação de esforços.

3. Que critérios foram levados em conta para a distribuição das etnias?

R. Tomou-se como base a ordem alfabética. Por exemplo, para o catálogo do México, que fizemos primeiro, tomamos oito etnias do Afeganistão em ordem alfabética. O segundo que fizemos foi o do Paraguai e seguimos a ordem alfabética das etnias do Afeganistão. É desta forma que os estamos elaborando. Também estamos trabalhando com líderes de missões em diferentes países, dizendo que eles mesmos podem escolher as etnias que queiram incluir em seus catálogos. Por exemplo, o Paraguai me enviou a lista de etnias que eles querem incluir e nós trabalhamos em função dessa lista.

Outro aspecto que consideramos para a distribuição das etnias é o tamanho do país. Para isso, os separamos em três níveis: um país pequeno recebe 50 etnias em seu catálogo. Um país médio recebe 100, e um país mais ou menos grande 200 etnias. Para outros países que têm um esforço missionário significativo, atribuímos 300 etnias. Os líderes do país também podem dizer-nos quantas etnias querem no catálogo. Por exemplo, inicialmente a Venezuela recebeu 50 etnias, mas nos disseram que queriam 100 etnias.

4. Explique-nos a Guia do catálogo e sua classificação por cores.

R. Na página da Etnopedia há quatro cores, que significam o seguinte:

Não estamos incorporando aos catálogos as etnias que estão em amarelo ou verde porque, obviamente, já há missionários trabalhando ou igrejas estabelecidas.

Temos incluído a cor preta porque, por muitos anos, os movimentos das etnias não alcançadas têm dito: “a etnia não está alcançada”, ou seja, há menos de 2% de evangélicos, “mas não se tem visto algo que nos indique onde está a prioridade”. Não estamos dizendo que uma etnia com menos de 2% de evangélicos não é prioridade e sim que há uma prioridade mais alta e é onde não há absolutamente nada. Uma etnia totalmente não alcançada é uma etnia com 0% de evangélicos. Estamos atribuindo apenas duas classificações: etnias totalmente não alcançadas (0% evangélicos – preto) e etnias não alcançadas (menos de 2% de evangélicos – vermelho).