Missão - local e global O Equilíbrio na Missão

February 23, 2017

 

Por Carlos Scott

 

Quando falamos sobre missão local, global e transcultural, primeiramente estamos falando da missão de Deus (missio Dei). Deus é um Deus missionário. A missão existe simplesmente porque Deus ama as pessoas. Deus quer resgatar a humanidade de sua desumanização moral, espiritual, física, intelectual, social, econômica, política e cultural. O estabelecimento de Seu reino é a missão de Deus. Podemos conceber a missão como um movimento de Deus para o mundo, onde a Igreja é um instrumento para essa missão. A igreja tem o privilégio de participar, mas a missão não é sua e não pertence a nenhum projeto privado. “A Igreja encontra-se a serviço do movimento de Deus para o mundo” (1).

 

A missão global e transcultural implica chegarmos a todas as etnias da terra, ocupando-nos dos diferentes aspectos da vida das pessoas. A igreja é o agente da missão e não sua meta. A igreja não é o reino de Deus e sim sua comunidade. A igreja é comunidade do reino de Deus, que participa da missão universal (transcultural). A igreja não existe para si mesma, mas para servir à humanidade e anunciar a inauguração do reino de Deus na pessoa de Jesus Cristo. A igreja é missionária por sua natureza, dimensão e intenção.

 

Jesus é o reino de Deus encarnado. ”O reino de Deus não é uma ética nem uma ideologia social e sim a mensagem que se centraliza em uma pessoa, a pessoa de Jesus, o Messias» (2). O reino está presente, mas não se consumou; portanto, o reino está por vir. É um “já” e um “ainda não”. Em sua missão, a igreja testifica a plenitude da promessa do reino de Deus e participa da contínua luta deste reino contra os poderes das trevas e do mal.

 

Podemos chegar a dizer que a missão local e global (universal, transcultural, multicultural e intercultural) ocorre quando o povo de Deus se une à missão de Deus, cruzando intencionalmente barreiras sociais, políticas, culturais, idiomáticas, étnicas, de igreja a não igreja, em palavra e ação, anunciando a vinda do reino de Deus em Jesus Cristo, convidando as pessoas a se reconciliarem com Deus, consigo mesmas, umas com as outras e com o mundo, integrando-se à vida da igreja, com vistas à transformação do mundo até que o Senhor volte (Ver conceito de missão por Chuck Van Engen (3).

 

Alguns podem entender a missão global em termos de plantar igrejas em outras latitudes, como também em salvar os indivíduos da condenação eterna; outros a podem perceber em categorias eclesiásticas, como a expansão da Igreja ou de uma denominação específica, cruzando barreiras geográficas e culturais. Porém, se vamos entender o evangelho e a missão conforme toda a escritura, de Gênesis até Apocalipse, teremos que entendê-lo enfaticamente como “benção a todas as etnias” no espiritual, físico e material, abrangendo os aspectos sociais, culturais, políticos e econômicos. Ao falar de missão local e global, estamos falando de uma mensagem integral de salvação, que não conhece fronteiras de nenhuma ordem e está dirigida a todo ser humano, considerando a totalidade de sua pessoa.

 

A tensão entre o local e o global (universal)

 

Em geral há uma tensão entre o que se denomina missão global e missão local. Muitas vezes estes termos são contrapostos, sem nos darmos conta que fazem parte da mesma moeda. Devemos integrar as diferentes esferas, segundo expressa o texto de Atos 1:8. Jerusalém, Judeia, Samaria e até os confins da terra descrevem as esferas ou áreas de serviço onde o local e o global estão integrados. Fala-nos de ser testemunhas de forma “simultânea” e não fazer a tarefa de forma sequencial. Nenhuma área de serviço deve ser a mais importante. As mesmas devem estar balanceadas ou equilibradas, dando dignidade, simultaneidade e atenção a cada una.

O Pacto de Lausanne (4) expressa: “A igreja que não é missionaria é uma contradição em si mesma e apaga o espírito”. Segundo o pacto de Curitiba,(5).  “a missão não pode ser um departamento isolado da vida da igreja, mas fazer parte da própria essência dela, pois ‘ou a igreja é missionária ou não é igreja’. Assim, a missão envolve cada cristão na totalidade de sua vida”.

 

A igreja foi chamada e enviada para participar da missão de Deus. Este envio e mandato não são algo opcional. Os textos mais conhecidos são Mateus 28:18-20, Marcos 16:15, Lucas 24:46-48, João 20:21 e Atos 1:8, mas devemos afirmar que a Bíblia inteira nos dá o mandato para a missão e a evangelização. Deve haver uma moralidade da fé. Implica escutar o grito dos pobres, oprimidos e perdidos.

 

Devemos perguntar-nos: por que 27% da população mundial ainda não teve acesso ao evangelho ou teve pouco acesso a ele? O que acontece com os que não têm conhecido o evangelho? Nosso mundo tem hoje mais de 7 bilhões de pessoas, que vivem em 234 nações geopolíticas, mas em mais de 16.000 etnias. Dessas etnias, mais de 6.600 grupos permanecem como os menos alcançados integralmente ou menos evangelizados. A igreja precisa assumir um compromisso mais intencional na evangelização mundial.

 

Resumindo, dizemos que a Bíblia inteira mostra o plano de Deus de reconciliar consigo todas as coisas por meio de Jesus Cristo (Colossenses 1:15-20). A Igreja é o instrumento de Deus para levar a cabo seu plano. A missão de Deus é um atributo do próprio Deus, que se expressa em seu mover para redimir a humanidade e convida Sua igreja a participar. O mundo é o palco para a atividade de Deus e não devemos sair dele. O serviço ao mundo é um serviço a Deus e é um reflexo do reino vindouro de Deus, independentemente dos resultados que se obtenham.

 

A missão é universal e integral. A missão integral se não for universal se converte em localismo. É etnocentrismo e egoísmo. Ocupamo-nos de pessoas próximas e não das pessoas distantes. Por outro lado, a missão universal sem ser integral transforma-se em proselitismo. Corremos o risco de nos ocuparmos unicamente com o aspecto religioso, pessoal e interno, mas sem nos ocuparmos com todos os aspectos da vida das pessoas. Deus chama todos os crentes a participarem e a se comprometerem com sua missão.

 

Perguntas para reflexão e trabalho em grupos pequenos:

O que é missão? Podemos cuidar de toda a agenda do mundo? Quais seriam nossas ênfases?

Como podemos desenvolver um processo local com visão e compromisso globais?

(1) Schmitz, Josef, 1971: Die Weltzuwendung Gottes: Thesen zu einer

Theologie der Mission. Imba-Verlag, Friburgo-B.

(2) Davies, Pablo: Palestra O Reino de Deus e a Missão Transcultural, (Encontro Nacional da Rede Missões Mundiais, Córdoba, Argentina, 2002)

(3) Deiros, Pablo Alberto: Diccionario Hispano-Americano De La Misión. Casilla 711, 3000 Santa Fe – Argentina : COMIBAM Internacional, 1997

(4) Pacto de Lausanne, Congresso para a Evangelização Mundial, (Lausanne, Suíça, 1974)

(5) Pacto de Curitiba, Comunidade Internacional de Estudantes Evangélicos (Curitiba, Brasil, 1976)

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

ELES SÃO COMO NÓS!

February 4, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

February 4, 2019